Empreendedorismo Feminino

Descubra os 3C’s Que Impedem o Seu Sucesso no Empreendedorismo Feminino.

empreendedorismo feminino

O empreendedorismo feminino cresce de forma consistente no Brasil, hoje somos mais de 7,3 milhões de empreendedoras espalhadas pelo país segundo dados de um estudo do Sebrae.

O comportamento empreendedor também é algo que vem sendo estudado, analisado e melhorado ao longo dos anos, sendo o empreendedorismo (termo) algo relativamente novo no Brasil, é natural que haja ajustes no comportamento no sentido de encontrar as melhores práticas para se adaptar ao mercado. Já falamos por aqui sobre a importância de se auto observar e trabalhar o seu comportamento como forma de alavancar resultados. (Leia mais sobre isso neste artigo)

Das mais de 40 mulheres diferentes que atendi até hoje, a maioria empreendedora, um fator é comum entre elas: A dificuldade em superar o que eu chamo de os 3C’s. Mas o que são os 3C’s? São conjuntos de reações, conscientes ou inconscientes, que temos na nossa rotina empreendedora, essa reações geram comportamentos disfuncionais, ou seja, atrapalham e limitam nosso potencial.

Os 3C’s que impedem o seu sucesso no empreendedorismo feminino.

  • Culpa
  • Comparação
  • Crítica

Nesse post você vai entender um pouco mais sobre cada um deles e porque é tão importante para o seu sucesso como empreendedora observar e trabalhar cada um.

Então vamos lá:

#1 – Culpa

Culpa é o termo que usamos para os sentimentos negativos que sentimos e que ruminamos repetidamente quando cometemos erros, ou quando fazemos algo que consideramos errado e nos arrependemos, ou quando não conseguimos aquilo que almejamos e buscamos.

No empreendedorismo feminino a culpa aparece por vários motivos:

  • Culpa por errar e/ou acumular fracassos diários – normalmente a mulher empreendedora teve sucesso em sua ocupação anterior, as frustrações por seus atuais resultados geram muita culpa nessa mulher.
  • Culpa por produzir menos receita e assim ajudar menos ou quase nada no orçamento familiar – de modo geral a mulher empreendedora teve muita independência financeira em seu histórico profissional.
  • Culpa pela rotina bagunçada com os filhos – no caso das mães empreendedoras – muitas mães empreendedoras (assim como eu) deixam suas antigas posições para empreenderem home office em busca de tempo e qualidade com seus filhos, porém, empreendedorismo é “coisa séria”, requer tempo, dedicação e muito esforço. Para que o negócio caminhe de forma produtiva a entrega de 200% é mais do que necessária. A gente trabalha muito e em vários horários tentando conciliar e dar conta de tudo (humanamente impossível). Em casos como esses a mãe empreendedora se frustra, pois, idealizou uma rotina totalmente diferente da atual. A falta de equilíbrio gera muita culpa nessa empreendedora.
  • Culpa por sentirem culpa.
  • Culpa, culpa, culpa…

A culpa, sendo um sentimento de ruminação, nos coloca em ciclos viciosos de emoções negativas e destrói a nossa autoconfiança – Atitude tão importante para nosso sucesso empreendedor – Leia mais sobres os 3A’ de sucesso do empreendedorismo feminino aqui. Quando em estado de culpa a gente tende a procrastinar e entregar menos do que somos capazes, além de, aumentarmos as chances de desistência, visto que, culpa nos coloque em posição de vítima e limita a nossa percepção do todo.

Também existe a culpa externa, culpar o todo pelos resultados do negócio, seja o sócio, sejam os colaboradores, seja o governo, fornecedores… isso tira de você o seu poder, e sem poder você não age, e sem ação você não tem resultados e novamente você entra em ciclos viciosos.

Culpar-se, seja pelos fatores acima, seja por erros cometidos no seu dia a dia empreendedor, seja pela sua própria culpa ou por culpa do outro, não te favorece na sua caminhada empreendedora.

Troque culpa por responsabilidade, se responsabilize e analise o seu comportamento, mude o que está desajustado, melhore o que está mediano, entregue o seu melhor, trabalhe em nível de excelência, mantenha-se no estado da arte. Mas deixe de se culpar. Quando algo não sair como você planejou, se permita tirar uma day-off para analisar o todo, se abra para as reflexões, ouça mais pessoas, peça feedback, faça relatórios. O erro nos permite reconstruir, e na reconstrução temos a chance de fazer melhor, quando estamos em estado profundo de culpa não percebemos essa chance e corremos o risco de errar novamente.

Se permita refletir a respeito.

#2 – Comparação

No mundo dos negócios a comparação é quase inevitável, no empreendedorismo feminino eu percebo como reação presente, principalmente e infelizmente, pelas iniciantes.

Comparar o seu negócio, os seus resultados e as suas habilidades criam em você um sentimento, ilusório veja bem, de que você é inferior ou superior. Em ambos os casos, este tipo de sentimento por comparação não leva a nada no longo prazo e faz com que você não se conecte com os outros, diminuindo assim, as suas chances de fazer grandes parcerias para o seu negócio.

A comparação também gera sentimentos disfuncionais como a ansiedade e a angústia, que por sua vez, promovem ações mal pensadas, gerando assim, resultados insatisfatórios.

Comparar o seu momento, as suas habilidades e o seu histórico com o outro é injusto, não conhecemos a jornada de ninguém, só enxergamos o palco nas nossas relações de negócios, os bastidores só quem sabe é quem vive.

Troque comparação por admiração e deixe o orgulho de lado. Admire o seu concorrente, o seu parceiro e aprenda com eles. Seja sincera em suas relações e não tenha medo de perguntar, elogiar, se engajar… Converse com profissionais da sua área e faça perguntas sobre aquelas habilidades que você acredita não ter e deseja desenvolver, sobre aquela ação que ele tomou e você gostou, porém no seu negócio não deu certo. Ajude e se abra para receber ajuda.

Empreendedorismo Feminino de sucesso é conexão e não comparação. Mais importante do que se comparar com os outros é reconhecer seu estilo e valorizar sua história. Ela é única! 

#3 – Crítica

Você está com a página de avaliações da sua fanpage aberta para ativar e aquela vozinha dentro da sua cabeça lhe diz: “Você vai se dar mal, as pessoas não irão te avaliar bem, e se você tiver apenas feedbacks negativos? Não arrisque, você não é tão boa assim…”  Você repensa e desiste.

Em outra ocasião você está com seu plano de prospecção definido e ao iniciar a vozinha novamente lhe diz: “ Não vai dar certo, esse plano é simplista, as pessoas não irão te dar atenção e mesmo que deem você terá que se explicar e será um fiasco, melhor não arriscar, vai perder os clientes que você já tem. “  Você repensa e começa a traçar um novo plano, menos ousado, perde tempo e não arrisca.

Em uma terceira situação você está negociando um projeto e o cliente está sugando a sua margem com a solicitação de mais e mais desconto. Você sabe que não tem margem para desconto e sabe da sua entrega e do seu valor no projeto. A vozinha se aproxima e diz: Melhor isso do que nada, talvez você esteja realmente cobrando muito alto pelo projeto, será que vale tudo isso mesmo? Você vai perder o cliente…”. Você repensa e acaba cedendo, reduzindo ainda mais o seu lucro e prejudicando o seu posicionamento.

Se você se identificou com uma ou mais situações dessas, significa que a sua voz critica está te engolindo

Nós, seres humanos, acumulamos ao longa da nossa vida experiências e vivências que moldam nossos pensamentos, comportamentos e ações, e são essas ações que geram nossos resultados. A sua voz crítica foi moldada ao longa da sua vida (Leia mais sobre isso nesse artigo) dependendo da força, constância e persistência com que ela age, a probabilidade de te limitar e fazer com que você tome atitudes que desfavorecem o seu negócio é muito grande. A crítica interna mal dosada faz você agir com base apenas no medo, com base apenas na escassez. Reflita…qual a certeza que você tem sobre as influências da sua voz? Sendo ela positiva ou negativa? Nenhuma correto? Como você terá certeza? Agindo!

Cautela e análises são ações necessárias no mundo dos negócios. Mas não podem ser um limitador. A dosagem correta se faz necessário para o seu sucesso como empreendedora. A melhor forma de arriscar no seu negócio é se preparando.

O que fazer com os 3C’s?

Se você se identifica com os problemas acima, recomendo que passe a se observar cada vez mais e tome como hábito anotar as suas percepções em relação aos seus comportamentos.

Não é fácil, porém é simples. Se comprometa consigo mesma e com seu processo de mudança para melhor. Não somos seres estáticos e o desenvolvimento faz parte da nossa evolução, porém a escolha de crescer ou não é sua, somente você pode mudar a sua real situação. Se está incomodando, limitando, desagradando, mude!

Se você tem pressa com esse processo de mudança ou se não consegue identificar onde está o real problema, já tentou de tudo e nada deu certo, o coaching pode te ajudar a identificar e alterar comportamentos que estão desfavorecendo sua caminhada empreendedora. Se deseja saber mais sobre o assunto entre em contato conosco: contato@viveremelhor.com.br.

Vai lá na nossa página de depoimentos e conheça o depoimento de mulheres que vivem melhor após o coaching e se inspire.

Boa sorte e comente aqui embaixo ou na nossa fanpage sobre as dificuldades que você está enfrentando no seu negócio.

Receba novidades direto no seu email!

Veja também

0 Comentários

Deixe uma resposta